segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

O sabor do vinho.

   A noite esta vazia, ouço as folhas correrem loucas pelas ruas com o soprar do vento, a lua la fora, cheia, e eu dentro do meu quarto com você em meus insanos pensamentos, junto a um taça de vinho. 
   Minha mente vaga pelos escombros do nosso amor perdido, e a clássica pergunta que me atormenta, alias, que atormenta a todo fim de um relacionamento que nunca tivemos coragem de chamar de namoro, por medo do compromisso e de nos sentirmos presos...
   A taça de vinho cai ao chão, o vinho se espalha pelo piso do quarto e a taça dividida em mil cacos, percebo então que minha vida esta na mesma situação. Deixo então escorrer meu sangue pelo piso de madeira, enquanto as folhas correm loucas pelas ruas de Londres.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Cansei...

   Sozinha entre a fumaça do seu cigarro, perdida entre suas falas e desabafos, essa sou vivendo por você, doente e enfraquecida pelo amor, calada e sem opinião, essa sou eu escrava da sua paixão.
   Me afogando em magoas, escutando Oasis para tentar aliviar a dor da ferida causada por quem mais me faz bem. Sonhando, delirando, passando mal, morrendo, caindo, fecho os olhos e vou para outro mundo onde amar não é possível...

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Respectivos corações fechados

 
   Sempre fiz questão de manter o meu mundo fechado, e quando o invadem e logo vão embora me sinto partida ao meio...
   Eu não entendo por que as pessoas que surgem em minha vida logo se afastam por inúmeros motivos, também não entendo o por que as que estão em meu mundo a anos me entendem menos que as que conheço a uma semana.
   Talvez eu fui feita para ser cobaia de desilusões e para ser privada de alegrias duradouras. Estou cansada de viver só de momentos, enfim agora afogarei minhas magoas com álcool e cigarros, mas antes disso, só uma pergunta.
   Existe vida depois do amor não correspondido?

domingo, 19 de dezembro de 2010

Submerso

   Silêncio! Ouça o som da minha voz perturbante que chega aos seus ouvidos e provoca algo inexplicável dentro de você, apenas escute o que eu tenho para dizer, e que você nunca deixou durante tantas semanas que passamos juntos por medo de sentir o mesmo, sssshh...
   Tenho em minha mente todos os detalhes do dia em que as ondas do mar colidiam com as pedras e que a lua estava brilhando só pra você, lembro perfeitamente do seu sorriso marcante.
   Foi sem duvida uma linda historia que você fez questão de esconder dentro do armário do porão. 
   Me arrependo de ter insistido em te conquistar, agora vejo que pessoas selvagens como você são impossíveis de serem domadas, tão selvagem que me atacou, arrancou o meu coração e jogou no mar para colidir com as pedras.
   Agora quero que você viva com a consciência pesada por saber que é a causadora do meu sofrimento.
   Nosso amor foi parar no fundo do mar...

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Desvio de personalidade.

   Não entendo o que se passa comigo, não entendo a vida que levo, não entendo...
   Tenho mil e uma faces, mil e uma historias a serem contadas, mil e uma maneiras de agir. 
   Não tento me entender, quero ser um enigma, quero poder escolher quem vou ser hoje e quem serei amanhã, pois pra mim ser a mesma pessoa todos os dias é desgastante, pacato e sem surpresas, algo melancólico e rotineiro.
   Deixo o mundo girar em minha volta a criatividade soltar flores no jardim atras de casa, deixo o meu disfarce de Sofia e visto o de Janaína. 
   Fui tantas pessoas em minha vida, de maria a joão, e esqueci que nome esta escrito na minha identidade, quantos anos tenho, da onde vim e quem são meus pais, e pra que saber? Eu posso me reinventar quando quiser posso ter varias vidas, posso realizar sonhos absurdos e no outro dia ter outros sonhos outra maneira de pensar, nada é igual, e isso faz tudo ser... sem palavras.
   Quem eu sou? A sede da vida...

terça-feira, 30 de novembro de 2010

1970

   La estava um corpo repousado em cima de uma cama nova que aparentava ser macia, comecei a examinar aquele individuo de aparência gasta com o tempo, andei por volta da cama, observei a linda vista que tinha de sua janela, olhei para os quadros e voltei-me a olhar para ele e o quanto dormia em um sono profundo, examinei cada detalhe que escondia em sua mente e aparecia em sua expressão enquanto sonhava, observava-se que a agonia de sua vida sempre foi muito penosa, cansei de olhar a sua expressão e voltei-me ao medonho aspecto de seu quarto, la havia um quadro de bilhetes que me atentou, já me disseram que a curiosidade mata o gato, mas nesse caso quem pareceu matar o gato foi ele. Lá estava claramente escrito na carta escondida entre outros bilhetes pregados no quadro.

"Estimado Jimmy"
Percebo que sua visita em minha casa não lhe trouxe boas lembranças, alias, trouxe as piores possíveis, mas bem, não estou gastando tinta e papel atoa, vou direto ao assunto. A função que lhe dei para executar a 2 anos atrás não foi executada, vi ela andando por ai com um ar jovial e aliviado por ter escapado de tamanha catástrofe, mesmo tendo quase acontecido a 2 anos atrás, espero que ela não fique andando por muito tempo nas ruas de Londres. Me entende? Espero que sim, lhe dou  mais um mês pro bolar o crime perfeito. Só quero lembrar que ela esta com a faca e o queijo nas mãos, não nos entregou ainda por uma bondade que me espanta e da náuseas, mas sei que ira acabar, mais cedo ou mais tarde. Haja rapidamente, apenas isso.

Cordialmente 
Jude stevens
   
   Num instante queria chorar por saber que as magoas do tempo abalavam demais meu avô por ainda guardar esta carta, mas ri, ri de como o mundo deu voltas, de como a moça ameaçada de morte agora é minha vó. E Jude Stevens, meu vô conta historias sobre ela e sobre como sua mente era perturbada pelos insanos crimes que cometera em 1970.

domingo, 28 de novembro de 2010

Caótico

   Enfim... chegamos aqui, terra de ninguém, onde se corre o bicho pega, se fica o bicho come. Não há entrada alem da vida muito menos saída alem da morte!
   A terra gira e não podemos parar, e quando paramos... não queira saber. O tempo passa e se não cuidar ele some diante de seus olhos, as oportunidades surgem e quando menos se percebe, fogem. 
   Não espere as coisas acontecerem, em suas mãos estão os instrumentos de trabalho e em seus olhos vejo a força, agora despiste o bicho, não tente correr e muito menos pare e espere ele lhe encontrar...

sábado, 27 de novembro de 2010

Efeito colateral...

   Anda, sente-se neste sofá, pegue uma xícara de café e vamos debater a nossa vida cheia de altos de baixos. 
   Nos altos era tudo lindo demais, tão lindo que me angustiava e me levava a um tédio profundo. Quando me olhava no espelho, la estava eu no fundo do poço... quando surges tu. Minha Heroína.
   Geralmente quando lhe chamo de Heroína me lembro do efeito da droga, engraçado, não? Nos primeiros dias em que ficávamos juntos tu causavas me o mesmo efeito, e quando nos separávamos... queria lhe ter de volta, Heroína.
   Tu fostes a droga que mais me causou mal, por que faz alguns anos que não lhe vejo, faz alguns anos que não consigo olhar para o pôr do sol e esticar os lábios e mostrar os dentes diante do céu laranjado e radiante...
   E então... não lhe chamo mais de Heroína, pois foi minha derrota, agora simplesmente te chamo de Helena, teu verdadeiro nome que não me causa mais nem um efeito.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Robo

   Estamos programados a mesma rotina sufocante do dia, somos programados para não ter opinião, para não ir contra os padrões estabelecidos pela sociedade, somos conduzidos pela mídia com um cabresto dentro de nossa boca e preso em nossa cabeça nos impedindo de falar, pensar e agir!
    E agora? Errada sou eu que me libertei da "escravidão", pois é... me chamam de revoltada, louca e tudo mais, mas pelo menos sou livre, tenho opinião própria e não fico na frente da TV ansiosa para "A fazenda" começar. 
   Enfim... me excluam dessa vida sem opinião, alias isso não é vida!
   Vocês são programados para não viver e sim obedecer!

sábado, 20 de novembro de 2010

Pecado!

   O veneno que sai da minha boca cai no chão e escorre no piso que me sustenta, em segundos estou caindo, em segundos já estou em outro mundo me afogando em mentiras.
   Aonde estou? Apenas consigo ouvir a minha respiração, alias, nem sabia como ainda conseguia respirar. 
   Todo essa veneno corroeu o chão que me sustentava, todo esse veneno afastou as alegrias, todo esse veneno acabou com a minha vida... e todo o veneno que soltei agora é levado pelo vento e vem parar aqui, nesse maldito castigo.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Liberdade de expressão

   Conviver com algo errado, mostrar a sua revolta e mesmo assim ficar calado.
   Por terem calado a minha boca meus olhos se estralam, como se eles pode-sem mostrar ao mundo o caminho certo a percorrer.
   O mundo está tão perdido assim? Só eu vejo o certo? Acho que deve haver pessoas inteligentes em algum canto que possam gritar em meu lugar "Vocês estão indo caminho ao caos!"

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

ALERTA: coração vazio provoca alucinações.

   Coloquei a xicara de café em cima da mesa, olhei para a fresta da janela que estava aberta, então vi um homem solitário olhando para as suas mãos, levei a xícara a boca por um segundo e ele não estava mais lá, fui até a porta, abri, olhei de um canto para o outro, e nem um sinal de vida, voltei a mesa, levei a xícara na pia, e novamente voltei a olhar para a janela, e la estava uma pequena menina olhando para as suas mãos e chorando.
   Eu realmente não estava entendendo, o que era aquilo? Por que só conseguia velos da janela em que as cortinas eram escuras, e a tranca um pouco enferrujada, não contive a curiosidade abri a porta bruscamente e fui em direção a pequena menina de cabelos longos, encaracolados e preto como o asfalto em que estava sentada, e em um piscar de olhos sumiu na minha frente, virou fumaça... 
   Semanas se passaram e todos os dias eu sentava nessa mesa redonda na frente da janela e esperava que aparece-se o homem e a pequena menina, ainda lembro de suas faces sofridas e angustiadas, mas ainda não entendo por que olhavam paras as mãos, elas não pareciam ter nada, absolutamente nada.
   Olhei novamente para a fresta da janela e la estava eu, olhando para as minhas mãos vazias, assim como o meu coração.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Procuro o que em nada existe...

   Sou o seu auge de criatividade, a menina mais perfeita que conseguiu criar, para nas noites frias imaginar, e não se sentir sozinho. Sou eu que faço seu coração bater rápido sem ao menos você me sentir, sou eu...
   Sei que o seu coração é cheio de ilusões, sei que no fundo acredita que eu existo, mas existindo ou não, quero que parta comigo rumo ao desconhecido, quero que me procure, e me encontre...
   Ligue o carro e me leve para casa, antes que a sua imaginação acabe, antes que me perca em suas memórias, antes que perca algo que nunca existiu.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Droga

   Aqui estou eu, novamente de mascara, escondendo minhas origens, escondendo quem realmente sou. 
   Aqui estou eu, novamente sangrando, por não poder gritar ao mundo. 
   Aqui estou eu, novamente chorando, pois agora a mascara grudou em meu rosto.
   Merda de dependência, merda de pessoa que sou, deveria ser verdadeira com as pessoas. Deveria?
   Hoje pelo que vejo é comum ser falso, então participo do comum, mas sei que há pessoas fazendo a diferença, deposito toda a minha esperança nelas...
   Aqui estou eu, com mascara e a dependência.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Passos brilhantes...

   O absurdo absoluto que há em sua vida me causa inveja, a sua beleza é diferente das demais, muito mais que um rosto bonito e um corpo atlético, é um cabelo fora dos padrões e sentimentos inigualáveis. O seu jeito de andar me inspira a seguir em frente. Pensamentos complexos e justos sobre o mundo que foi invadido pela ignorância e que você tenta combater com classe. Seus sapatos modelo oxford bastante brilhante dão ao seu look uma graça, faz com que relembre os mágicos, por isso quando lhe vejo as borboletas no meu estomago aparecem do nada. Você é pura magia, mas é uma pena eu não acreditar nela.
   Não acredito em magia, mas acredito em você...

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Encantador começo...


Olho pros meus pés descalços,
olho para o horizonte que não tem continuação.
Vejo homens exaustos,
vejo eles, mas não vejo coração. 

Vou de volta para o começo, 
deixo aqui a minha esperança,
onde meu olhar de mulher
se tornou novamente de criança.

É aqui onde acaba o horizonte, 
é aqui da onde surge o homem, 
e é ai onde todos eles se escondem...

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Linha da esperança...

  Alo felicidade, você esta ai? 
   Estou lhe procurando a tanto tempo que já perdi as contas de quantos dias estou trancada neste mundo te esperando. Me mande um sinal se realmente esta em meu futuro, pois esperarei ansiosa a sua chegada.
   Estou ouvindo uma musica melancólica, as notas tocadas vem até ao meu ouvido e entram em minha alma, mas ela trata de espulsa-las e não me deixar pra baixo, para que a esperança continue em minha vida. 
   Alo? Felicidade...? Ainda esta na linha?

Testamento de coração...

   Alguém misturou os meus remédios, eu não sei o que estou tomando, mas esta me fazendo tão bem. 
   Engulo tantos comprimidos que as vezes me pergunto "O que é o mundo?", pois até isso eles ma fazem esquecer.
   Acho que vou dobrar a quantidade pra não saber o que é a vida... 
   Apenas isso! Quero que as minhas roupas sejam lavadas e secadas na lavanderia da esquina, para dar as minha primas que moram no interior de São Paulo, pois sei que elas não tem onde cair mortas. E para você mãe, deixo o meu coração, pois sei que esta precisando de um, e o meu é o que pode salvar a tua vida, e por favor, não questione os meus últimos atos, pois foram os únicos de boa vontade. A boa vontade de uma menina morta pela vida...

sábado, 2 de outubro de 2010

Um veneno chamado tempo.

   O que está havendo comigo? Por que de um dia pro outro eu mudei tanto, cade aquela pessoa que não se importava com o que os outros diziam dela, aquela que não se importava com aparência dos outros, mas o que havia dentro deles. Para onde ela foi? 
   Agora estou aqui trancada em meu quarto, sonhando com o dia em que a  porta vai se abrir e vou perceber que estou livre das regras que eu mesma me impus com o tempo. 
   Dizem que o tempo cura feridas, pra mim ele só criou feridas...

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Viver para si mesmo.

   O ultimo grito da minha vida, deixo para você, também deixo a minha ultima lagrima, para que cuide.
   Estou partindo para bem longe, estou indo para onde deveria ter nascido, onde sempre foi o meu lugar.
   Deixo nesta pequena cidade, os meus sonhos pequenos que realizei, agora vou pra New York realizar os grandes. Deixo também para você a minha casa repleta de memorias, deixo também a minha maquina fotográfica que registrou vários momentos felizes e tristes que passei aqui.
   Fique também com o meu telefone, meus amigos, meus parentes...
   Pegue a minha vida que vai ficar dentro dessa cidade, pois estou disposta a construir outra em NY.
   Deixo-lhe tudo isso caro amigo Tempo, sei que você ira curar as feridas de tudo isso, ira deixar novo em folha, para uma nova vida vir morar aqui, no espaço vazio que deixei no tempo e com o Tempo.

domingo, 26 de setembro de 2010

Sim. Somos jovens!

   Temos plena consciência do que fazemos, queremos ser a geração que vai livrar o mundo dos padrões que a sociedade estabelece. Somos as pessoas mais livres e que sabem tomar uma decisão errada e a transformar  na certa. 
   Alguns bebem, fumam, mas com certeza serão os compositores que iram fazer a próxima geração de jovens refletirem. Olho para o Cazuza, concordo quando ele diz que os seus heróis morreram de overdose, pois os seus heróis também eram os meus e continuarão sendo. 
   Jovens sem limites, por mais que pareçam errados rebeldes, por mais que façam a coisa errada, por mais que fumem, por mais que gritem, sonhem,  fracassem, continuam a sua busca, não pela igualdade, mas que as diferenças tenham os mesmos direitos, e que por uma pessoa usar brinco e outra alargador não sejam julgadas de forma preconceituosa.
   Hoje eles não veem se a pessoa é homem ou mulher, apenas veem dentro dela. Bissexual, homossexual ou hétero não faz diferença o que faz a diferença entre todos esses jovens é o que cada um leva em sua consciência, em seu modo de sentir e agir.
   São os jovens rebeldes de uma nova sociedade que se formam, mas não se enganem, não estou falando de TODOS os jovens, estou falando da queles que são capazes de fazer a diferença e que são a diferença.
   Sim. Somos jovens!

sábado, 25 de setembro de 2010

Um fim para um começo...

   Helena esta voltando, ela seu amor obscuro, seu ódio, sua angustia, seu jeito estranho de viver.
   Bate na minha porta, me olha de forma estranha, diz que esta disposta a viver uma vida normal.
   Acredito ou não em suas palavras?
   Sua boca pintada de vermelho se mexia sem parar, o que havia acontecido para tomar esta decisão?
   Me pergunto novamente... acreditar ou não?
   Após 3 dias em minha casa vivendo uma vida normal, mesmo vendo que será dificl, sei que algo a prende aqui. Ela olhava, analisava cada comodo desta casa, cada pequena coisa que a cercava. Assim passaram-se dias e a cada dia que se passava ela tinha em seus olhos algo para libertar, olhava para mim de uma forma em que seus olhos pretos ressaltavam ainda mais por causa de seus cabelo loiro quase branco grande até a cintura.
   - Tenho algo a lhe dizer... - disse Helena - algo que deveria ter lhe dito desde quando pisei pela primeira vez nesta tortuosa casa de lembranças das noite que passamos juntos.
   - O que diveria ter me dito? - perguntei curioso e desconfiado.
   - Apenas me escute... - abaixou a cabeça e a levantou novamente respirando fundo, olhou dentro dos meus olhos com um sentimento incógnito - uma dessas noites gerou mais do que uma lembrança, gerou uma vida...
   Eu não sabia se o vinho que havia tomado umas horas antes fez com que distorcesse a voz de Helena e com que ela disse-se que estava gravida.
   - Eu apenas quero que você cuide do nosso filho ou filha, não quero que ele conheça a mãe, quero apenas que teja o exemplo do pai, para que não siga o caminho sombrio em que até as lagrimas são de sangue. Vou para bem longe, vou voltar para Londres, o primeiro lugar onde levei seu coração comigo, agora lhe devolvo ele dentro dentro desse filho...
   Nada saia da minha boca, nem ar, pois era o que me faltava, ar...

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Caro Vilão...

   O tempo esta correndo rápido e minhas forças estão se esgotando, me sinto cada vez mais fraco, apesar da minha aparência de super herói. Quebro barreiras da tristeza e da angustia, e traço caminhos de dor e desespero, me puxaram para o fundo do poço, não tenho mais poderes, não tenho mais sentimentos. Um baú vazio jogado ao mar. 
   Meu sangue escorre no lugar do suor, a vingança machuca, mas garanto que irá machucar mais ainda a quem é destinada. 
   Estas palavras escritas no mais podre papel que tinha eu deixo na porta dessa merda de casa em que vive. 
   A vingança será cumprida caro vilão!

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Mundo em depressão.

   
   Faço de tudo pra não acordar, faço de tudo pra não viver a realidade, faço de tudo para não machucarem o meu coração, mas vejo que eu mesmo estou o machucando me aprisionando nesse mundo. 
   Eu me perdi tentando encontrar algo que me faça entender o que se passa dentro de mim, eu caminhei em todas a ruas, olhei todos os becos, e só encontrei mais duvidas... 
   Quero apenas não olhar pra traz e refazer a minha vida, que foi destruída pela minha depressão, e pela minha mão sem controle que levou a chave até a porta e a trancou. 
   Agora quando abro a porta do meu mundo para sair, vejo os problemas dele, pessoas na miséria passando fome, drogas, violência, abuso, falsidade...
   Quero voltar para o meu mundo e me trancar de volta, mesmo sabendo que os problemas não iram se resolver. 
   Mas tudo pode mudar se cada pessoa nascer de novo, pois não tenho mais esperanças.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Sobre Helena...

   Seria pecado comparar nossa vida a uma noite Helena? A noite é tão linda e você tão fria... comparo teu amor como o sol a noite, sei que esta lá, mas não posso vê-lo nem toca-lo.
   Sei que não gosta de ser comparada a nada, e nem há como, pois tu és tão única que não ha características alguma no mundo que se assemelham a sua formosura Helena. Assim que isso chegar a suas mãos não sei como, sei que tu irá ler e me chamar de tolo.
   Quem experimenta uma vez de teu beijo nunca mais esquece, eu conheci um dia por um minuto a sua doçura, não te esquecerei nem em outras vidas, em que rezo pra tu voltar com mais sentimentos em seus olhos. O frio que seus olhos me transmitem é enorme, mas eles também me fazem sentir o calor do amor escondido por traz do teu ódio...

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Torturante felicidade...

   Sofrer me faz feliz... O feliz para sempre me angustia, não quero o sempre, quero viver em constante mudança, em constante conflito comigo mesma. Pare pra pensar se algum dia a sua felicidade quando chegou no final veio o sofrimento, a angustia, o desgosto, a desilusão... Sim né?
   O meu quarto agora esta escuro, só vejo tela do computador ligada me mostrando um mundo, um outro universo la dentro. 
   E dentro de mim? O que há? O vazio? A escuridão?  Uma felicidade platônica? Ou apenas as minhas memorias guardadas em uma gaveta cheia de teias de aranha? 
   São essas memorias do tempo em que tinha apenas 14 anos, são essas memorias da minha adolescência em que sempre tive em busca da perfeição, onde aprendi que ela não existia sendo a menina cheia de defeitos.
   Agora tenho o presente de uma mulher ainda menina de 26 anos com um olhar sombrio, esnobe, de uma uma beleza torturante para qualquer homem. Agora eu sou infeliz e ser infeliz é o que me faz feliz. 
    Descobri a resposta... Uma felicidade platônica!

terça-feira, 14 de setembro de 2010

A angustia da esperança...

   Escorre no chão a água da chuva, que lava todas as impurezas da rua... entrei debaixo da quele chuveiro gigante, para que de uma forma desesperada tirasse as minhas angustias, mas nada adiantou, a chuva escorreu sobre meu corpo, e elas continuaram lá intactas. 
   Mais um motivos para não acreditar em magia, ela nunca funciona comigo, mais um motivo para não acreditar na vida, ela nunca é bondosa comigo...
   Não consigo mais olhar para o céu, apenas olho para o chão, esperando que esperanças sejam que nem flores que nascem da terra que esta debaixo dos meus pés.

domingo, 12 de setembro de 2010

1ª melodia

   
   O som da brisa batendo nas folhas das arvores me remete ao passado, me remete aquele teu sorriso ingenuo e enganador que iludia a minha vida toda a manhã ao acordar. Como a brisa que é algo tão puro possa me lembra ao passado? Que faço questão de tentar esquecer...
   As vezes acho que tentando equecer me faz lembrar cada vez mais das lagrimas falsas que escorriam do teu rosto, e me faz lembrar dos meu sorrisos iludidos e enganados. 
   O som mais puro e melódico da brisa me faz lembrar da valsa em que dancei na primeira noite em nos conhecemos. Agora quero apenas ouvir os teus passos se afastando de mim, quero apenas ouvir o passado partir...

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Inevitável

   Quis seguir até o fim, mas não sabia que era tão doloroso. Eu pensei que dessa vez estava certa, mas as lagrimas que escorrem no meu rosto mostram claramente que não.
   Apesar do fim ser inevitável, apesar do começo também, pode se evitar sofrer deixando de se apegar a quem não se apegue a você.
   Agora eu olho meu olho vermelho no espelho e me pergunto. Os seu olhos também estão assim?
   Se a resposta for não, meu sofrimento foi em vão.
   Agora procure outra vitima, por que eu não irei ficar presa a mais ninguém... 

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

O esconderijo.

   Senti vontade de desabafar tudo oque esta aqui dentro do meu coração, mas não consigo, alguém trancou e deixou os meus sentimentos sem saída, por isso agora choro. 
   Choro pois é a única maneira de me aliviar por alguns instantes. 
   Não sei quem trancou meu coração, mas também escondeu meus risos que brilhavam forte e agora só vejo uma pequena luz entre minha mente e meu coração, sei que os risos estão lá, mas não consigo encontrar. 
   Quem és tu? Quem lançou sobre mim uma manta de solidão e medo... só sei que tu és um covarde, aproveitou-se da frágil entrada do meu coração e de la correu por todo o meu corpo espalhando a solidão, mas deixa eu te dizer uma coisa. 
   Minha alma e impenetrável...

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Muito mais poderoso que o Superman!


   Gosto de caminhar a noite... gosto de ver as luzes clareando o meu caminho. A noite sempre há surpresas, sem falar nos gatos que miam, gosto do miar dos gatos. Mas lembro de uma noite em que ouvi outro som, algo muito melhor. Era Helena em um beco sem saída cantando...
Helena cantando? Impossível, mas era.
   Olhei para ela e reparei em seus cabelos, não eram mais negros como a noite que gostava de admirar, estavam loiros, quase tão loiros que pareciam brancos. Peguei a sua mão e disse.
- Como esta?
   Ela abaixou a cabeça mas levantou o seu olhar em minha direção.
- Como acha que estou? - deu um breve sorriso, mas marcante - eu aqui neste lugar não te diz nada?
- Por que fez isto com seu cabelo, gostava de compara-los a noite, mas vejo que agora tenho que compara-los a lua...
   Ela deslisou a sua mão da minha e a enfiou no bolso tirando um cigarro, acendeu e disse:
- Tenho que ir, pois cada vez que te encontro você me deixa mais fraca. E não quero isso, também não quero que você se ligue mais ainda a essa merda de amor.
- Sou sua kryptonita Helena?
   Virou o rosto e para o caminho sem saída.
- Estou longe de ser um super herói para ser sensível a kryptonita- deu mais um da queles sorrisos de lado marcantes, e disse - alias quem tem que ter uma kryptonita é você, pois te acho um super herói por ainda não desistir do meu amor confuso.
   Virei de costas pra ela e fui andando, mas antes disse:
- Tu cantas divinamente.
   Saí o mais rápido que pude sem deixar rastros, para que ela prova-se no próprio veneno, só espero que não a mate. 

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

A saída do labirinto!


   Vou em busca do meu sofrer... vou em busca de Helena. Percebi que mesmo me esnobando é seu jeito de me amar, mas não sei... talvez ela me esnobe novamente e deixe meu coração em pedaços, e não deixe eu juntar os cacos, mas mesmo assim vou em busca de Helena.
   Vou preparado para sofrer e para sentir sua pele e seus beijos novamente.
   Helena é o mais temido labirinto em que suas paredes se movimentam te encurralando, pra mim o labirinto não tem mais saída e também não quero achar, ficar perdido em seu coração me faz feliz assim como te faz feliz poder me amar e me esnobar quando sentir vontade...

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Uma vida atrasada.


   Não dizem que o vento leva pedidos, segredos... dizem, não dizem?
   Eu não quero que ele leve nada disso, eu apenas quero que ele me leve para bem longe, muito longe desse mundo...
   Não aguento mais os olhares cortantes vindo em minha direção, meu coração já esta roxo de tanto receber pancadas, minha mente já esta confusa de tantos caminhos falsos, meus sentimentos ja estão onde o vento deveria estar me levando.
   Vento você já esta atrasado faz uma vida...

domingo, 29 de agosto de 2010

Criou uma ferida no vento...


   A me despreze então Helena, enquanto me declaro sobre os 3 dias que passamos juntos que pareciam 3 longos anos você apenas me diz que só foi uma aventura? Quer saber Helena foda-se... você me fez sentir algo que nem sabia que existia, aposto que isso aconteceu contigo, mas não quer falar por medo não é. Me diga! Seu coração não acelerou, suas pernas não tremeram, meus toques não te arrepiaram. Se mesmo assim a resposta for não, você não tem nem vento no lugar do coração. Te desprezo mesmo te amando Helena...

Revolta!


   Porque tudo que me causa revolta vem desse teu jeito insuportável de agir e de me envolver? Sinto uma vontade imensa de te xingar, mas prefiro não baixar o nível. Tem dias que queria mergulhar em seus olhos e em outros prefiro ficar onde estou, pois seu olhar me remete a algo sujo. Você me causa revolta. Quando você chega perto de mim, sinto a tua respiração quente em minha nuca, não sinto mais nada alem disso, alguém atrás de mim respirando... Por que de uns tempos pra cá ficou tão falso? Sei que você queria mudar, deixar de ser aquele menino ingenuo e virar um homem sem medo, mas isso ta fora de controle a revolta de dentro de você esta abalando o mundo aqui fora. Não dou um dia para que essa tua revolta te mate! Saiba que já matou o meu amor por você...

Algo para admirar ou para torturar?


     Devo admitir que quando o sol apareceu fiquei triste... tudo ficou claro e descobri quem eram as pessoas a minha volta. Você Helena sempre me surpreendendo, desculpa lhe dizer isso mas preferia só ouvir tua voz, conseguia sentir um certo apego por ela, mas agora vejo este teu rosto lindo e fico hipnotizado pela sua beleza e completamente surdo. Tu causas agora uma tremenda desordem nas coisas que vejo... olho para o copo e em alguns segundos vejo seu reflexo nele. Estou pirando por você, achava um doce tua voz agora com teu rosto, fico completamente perdido em teus olhos e retardado com tua voz...

sábado, 28 de agosto de 2010

Carta sem endereço...

    Helena você me mata de angustia... de desespero. Quando tu irá voltar com o meu coração? Eu lhe entreguei o que havia de mais precioso e depois fugiu, só queria saber pra onde foi, para onde levou consigo toda a minha esperança a minha felicidade e meu amor, mas saiba que deixou as lembranças caídas em minha volta, e elas não me soltam. Onde esta você Helena? Onde esta o meu amor Helena?

Gritos que se escondem!


    
As minhas lagrimas são meus gritos escondidos... só não me pergunte o por que, apenas gosto de chorar e saber que nem tudo esta certo, pois a certeza me deixa com mais duvidas, a certeza me parece ilusória, assim como a tua expressão ao me ver, não acredito nela assim como não acredito em fadas, apesar de fadas parecerem mais reais que você e seu sentimento que tu julgas estar dentro de ti. A me poupe de tanta falsidade, me poupe de ter uma felicidade promiscua ao teu lado, a mistura dos sentimentos maus e ilusórios não causam desordem ao teu lado, mas causam duvidas e o medo de errar, mas bem... siga o teu caminho e não entre nas esquinas em que entrei e lhe encontrei.