sábado, 8 de junho de 2013

Dust To Dust

  Um tiro é tudo que peço. Para me tirar o ultimo suspiro de ilusão, para me levar ao pó de uma pseudo-existência. Que pobre ser sou eu, nego minha realidade e meus desamores pra viver em um mundo criado para me torturar com esperanças.
   Toda felicidade que vejo faz meus olhos queimarem de inveja, queria rouba-la e tranca-la em minha casa, quem sabe assim poderei ouvir mais do que o rangido da madeira causado pelo peso do meu corpo cheio de gordura e lastima. Tenho estrias na alma de tanto preenche-la e esvazia-la de fé em algo que nunca me salvou.
  Meus olhos transparentes que apenas refletem coisas mas não entendem nada, carregam uma grave hipermetropia, pois já não enxergam o que está bem na minha frente. Se a felicidade um dia esteve perto de mim, eu não vi.
   Como posso voar se as minhas asas estão atrofiadas e meus pés não sabem a direção certa? Sinto falta do que nunca tive, e no fim a resposta certa sempre foi você, e você sempre quis ser a pergunta. Apenas um tiro, para acabar com a falta de amor, para acabar com a falta de vida.